Suplementação em sistemas a pasto. Por onde começar?

Resumo

A suplementação de bovinos a pasto é uma das ferramentas mais potentes que o pecuarista de corte pode utilizar em sua operação, mas para isso precisa de muita estratégia e boas tomadas de decisões, pois há uma linha tênue entre ter lucro ou prejuízo com o seu uso. 

Para te ajudar obter o sucesso na escolha das estratégias de suplementação, nós vamos discutir nesse artigo vários pontos relacionados ao conhecimento dos suplementos, pastagens e do animal para que você possa ter uma avaliação criteriosa sobre seu sistema de produção e suas oportunidades, o que permitirá que cada tomada de decisão seja a mais assertiva possível, garantindo assim sustentabilidade da atividade a curto, médio e longo prazo. Leia o artigo até o final e baixe o ebook para ter acesso a conteúdos extras feitos para sua operação!

A Sazonalidade forrageira – a montanha-russa do pecuarista.  

A sazonalidade climática é um dos principais fatores que limitam a produtividade de animais em pastejo. Isso porque, em grande parte do Brasil, o clima é caracterizado por duas estações bem definidas: verão chuvoso e inverno seco. Nesse sentido, podemos observar três condições distintas ao longo do ano: o período das águas que é caracterizado por alta produtividade e qualidade nutritiva do pasto, o período da seca por baixa produtividade e qualidade e, entre eles, o período de transição. Essa variação nutritiva do pasto resulta em períodos de deficiência nutricional, limitando assim as respostas produtivas e reprodutivas do rebanho (Figura 1).

Figura 1. Variação na qualidade do pasto em função das condições climáticas.

Esteja preparado para cada trajeto da montanha-russa!

Uma alternativa para evitar esse problema seria o uso da suplementação concentrada, que tem como objetivo de fechar as lacunas deixadas pela variação nutritiva do pasto ao longo do ano, atendendo assim as exigências para cada categoria e objetivo dentro do rebanho. 

O primeiro passo para suplementar os animais é conhecer os tipos de suplementos existentes no mercado e as normas que os classificam. O ministério da agricultura, pecuária e abastecimento a partir da instrução normativa Nº 12, regulamentou e fixou os parâmetros das características mínimas dos suplementos destinados a bovinos como pode ser observado na figura 2.

Figura 2. Características mínimas dos suplementos destinados a bovinos (MAPA).

Portanto, considerando os tipos de suplementos para bovinos temos quatro classificações: mineral, mineral com ureia, proteico e proteico energético. O suplemento mineral é fornecido o ano todo, basicamente pelo fato de que as gramíneas tropicais apresentam baixo concentração de minerais em sua composição, principalmente fósforo, sódio e zinco. Já o uso da mistura mineral com ureia é uma forma barata de manter o peso dos animais na seca, desde que, a quantidade respeite o limite recomendado. O seu uso tem como objetivo suprir a deficiência de nitrogênio das bactérias ruminais, favorecendo o seu desenvolvimento e, consequentemente, melhorando assim sua capacidade em degradar a fibra, o que aumenta o consumo de forragem e a ingestão de nutrientes, revertendo assim o quadro de perda de peso para manutenção do peso. 

O ajuste da taxa de lotação pode ser realizado conforme a produção O mineral proteico é um suplemento mineral que contém em sua composição fontes de proteína verdadeira (ex: farelo de soja) e ureia, podendo conter outros ingredientes em menor quantidade como o milho. Esse suplemento tem como objetivo ganhos moderados na faixa dos 150 a 250 g/dia na seca, com consumo variando de 0,1 a 0,2% do peso vivo, respectivamente. Já o mineral proteico energético é um suplemento composto por minerais, ureia, proteína verdadeira (ex: farelo de soja) e energia (ex: milho ou sorgo). O objetivo desse suplemento é obter ganhos mais expressivos que variam em função da quantidade ofertada, podendo ir de 0,3 a 1% do peso vivo com ganhos de 350 a 850 g/dia, respectivamente na seca. Outro suplemento bastante utilizado é o mineral energético que possui alta concentração de energia (>70% de NDT) e menor teor de proteína (15% de PB) em comparação aos demais suplementos, sendo bastante utilizado em dietas de terminação e com níveis mais elevados de inclusão ≥ 1% do peso vivo (Figura 3).

Figura 3. Desempenho animal em função dos níveis de suplementação.

Bom, conhecendo agora os tipos de suplementos, suas características e aplicações você deve estar se perguntando, mas por onde eu começo? Para isso trouxemos 7 passos para você ter sucesso na suplementação de animais em pastejo. 

– 7 passos para ter sucesso na suplementação a pasto.

1º Passo: Comece pelo pasto! 

Tenha uma boa oferta de forragem mesmo que seco, pois o pasto é o principal recurso é o objetivo sempre será maximizar o seu uso.  

2º Passo: Tenha objetivos e metas!

Se você não sabe onde quer chegar, provavelmente não vai saber qual suplemento usar. Tenha sempre seus objetivos e metas bem definidos, se não tiver procure alguém especializado para te ajudar. 

3º Passo: Conheça as exigências do seu rebanho!

Pode parecer algo difícil de se conseguir, mas como você vai saber se sua estratégia é eficiente sem saber quanto de proteína, energia e minerais é necessário para atender as suas de metas ganho? 

4º Passo: Identifique os fatores limitantes!

Seja minerais, proteína ou energia o importante é saber qual nutriente está limitado o desempenho esperado. 

5º Passo: Saiba escolher! 

Escolha o suplemento que maximize o aproveitamento da forragem disponível! O pasto é o recurso mais barato e deve ser bem aproveitado.

6º Passo: Use o suplemento de forma correta e quantifique a resposta!

Atente-se para disponibilidade de cocho, fornecimento e adaptação, além disso não esqueça de pesar os animais pois só assim vai saber se a estratégia está condizente com a meta de ganho ou se será necessário mudar de suplementou e/ou aumentar o nível de inclusão.

7º Passo: Tenha controle sobre seu fluxo de caixa!

O uso da suplementação requer desembolso que, por falta de planejamento, pode afetar a estratégia de suplementação e trazer prejuízos.

Figura 4. Fluxograma de um sistema com a utilização de recursos suplementares.

– Não entre no vagão errado – Tome decisões corretas!

Os suplementos, além de adicionar nutrientes extras ou suprir aqueles em deficiência, também podem proporcionar aumento da capacidade de suporte do pasto, já que o consumo de pasto, dependendo do nível de suplementação, pode levar a redução do consumo de forragem, abrindo uma oportunidade para aumento da taxa de lotação. Além disso, a suplementação de animais em pastejo tem como objetivo diminuir a idade ao abate e a primeira cria, recuperar a condição corporal e, consequentemente a eficiência reprodutiva das vacas e potencializar o ganho de peso dos animais.

O sucesso na escolha das estratégias de suplementação, além do conhecimento dos suplementos, pastagens e do animal, requer uma avaliação criteriosa sobre seu sistema de produção e suas oportunidades, para que a tomada de decisão seja a mais assertiva possível, garantindo assim sustentabilidade da atividade a curto, médio e longo prazo.

Para isso tenha ferramentas que te ajudam a analisar e criar as melhores estratégias para o uso da suplementação. Nesse caso, você pode contar com BovExo, pois ele possui um sistema com algoritmos precisos, conhecimento zootécnico e indicadores de performance para que você possa identificar e montar as melhores estratégias de dieta para otimizar a produtividade do seu rebanho e, ao mesmo tempo, indicar o cenário de venda para maximizar a sua margem.

Então, o que está esperando para usar tecnologia e precisão para tomar as melhores decisões na escolha das estratégias de suplementação de bovinos a pasto

Preencha o formulário abaixo e tenha acesso ao nosso ebook! Você terá acesso ao artigo completo, com um cálculo para escolha estratégica de suplementação e ajustes de cocho para obter o melhor em produtividade e rentabilidade em sua operação.  

Se tiver dúvidas, entre em contato conosco que podemos te apoiar nessa jornada. Você terá a melhor experiência em sua trajetória para uma pecuária de resultados máximos.

Autor:

Angel Amaral Seixas

Angel Amaral Seixas

Dr. em Zootecnia

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter

Quer estar preparado para os desafios da pecuária de corte?

Assine nossa newsletter e receba todo o conhecimento que vem transformando a pecuária nacional.